Personas x público-alvo: qual a diferença e como identificá-los?

O que são personas

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Entenda como criação de personas pode alavancar negócios, por meio da personalização

Quem trabalha com marketing sabe o quão difícil é responder à pergunta de ouro dos negócios:  mais do que compreender qual é o público-alvo, é preciso saber quem é o verdadeiro cliente da empresa, um questionamento mais complexo do que se apresenta. 

Quando os primeiros dados sugerem quem seria esse público, o marketing se prepara para criar campanhas baseadas nas personas traçadas. Ou seja, é a centralização de um grupo de pessoas em um personagem fictício, que atende às necessidades dos clientes e tem, portanto, estratégias específicas voltadas a eles. Esse planejamento permite uma maior fidelização e até mesmo aquisição para as empresas.

Mas, afinal, o que são personas?

Diferentemente do que se pensa, a persona não concentra uma massificação do que é o público-alvo dos negócios. Pelo contrário, a persona é um personagem fictício que abrange uma série de características de um grupo de clientes, de maneira a orientar a equipe de marketing a realizar estratégias personalizadas. Ela centraliza, portanto, um cliente ideal. 

Vale destacar que essa persona não necessariamente é mantida em um único perfil; ela pode (e deve) ser expandida para atender a maior gama de clientes da empresa, sempre para representá-los e, dessa forma, criar anúncios e ofertas compatíveis às suas necessidades.

Um ponto interessante a se ressaltar é que a obtenção da persona não é feita por mera observação: ela precisa ser pautada em dados que descrevam quem é esse público. Ou seja, em linhas gerais, é entender a faixa etária desse grupo, para qual setor trabalham, qual o tipo de entretenimento que consomem, quais suas preferências de atendimento, entre outras especificidades.

Qual a diferença entre a persona e o público-alvo?

Partindo do princípio de que a persona nada mais é do que uma definição específica de um perfil e o público-alvo é bem mais abrangente, fica mais fácil reconhecer as diferenças entre ambos os termos. Por exemplo:

Melissa Pereira (nome fictício) tem 42 anos, é bióloga, tem dois filhos e atua como professora de uma universidade conhecida em seu estado. Ela frequenta muitos seminários de natureza, apoia causas sociais e faz doações mensais a uma série de ONGs de seu interesse. Essa é a persona criada, que abrange a individualidade de um grupo de pessoas.

Já o público-alvo é um pouco mais abrangente: mulheres entre 35 e 45 anos, mães, que trabalham na área das ciências biológicas, entusiastas de causas sociais e sustentáveis. 

Como montá-las?

A partir da percepção de dados dos clientes, é possível estruturar a persona do seu negócio de maneira mais fluida. Na prática, ela será resultado de uma ampla pesquisa feita com os consumidores da empresa.

É importante ressaltar que esse estudo precisa ser feito por profissionais da área de marketing. E, quanto maior a especialização, ou seja, se os profissionais envolvidos tiverem no currículo uma pós-graduação EAD ou presencial, é ainda melhor.

Para obter os dados, é possível realizar um estudo de Big Data ou mesmo por meio de pesquisas orientadas ao público – algo que pode ser feito até mesmo pelas redes sociais.

banner agenda min

Mais posts

Você quer expandir seus negócios?

Podemos fazer isso juntos

Entre em contato
Open chat
1
Olá! Como Podemos te ajudar?